15.12.06

Dez Chamamentos Ao Amigo

de Hilda Hilst


Se te pareço noturna e imperfeita

Olha-me de novo. Porque esta noite

Olhei-me a mim, como se tu me olhasses.

E era como se a água

Desejasse



Escapar de sua casa que é o rio

E deslizando apenas, nem tocar a margem.



Te olhei. E há tanto tempo

Entendo que sou terra. Há tanto tempo

Espero

Que o teu corpo de água mais fraterno

Se estenda sobre o meu. Pastor e nauta



Olha-me de novo. Com menos altivez.

E mais atento.

27.10.06

Uma noite com você no colo


E eu que desconfiei da alegria
Encontrei num erro
a certeza
de que o atalho era mais longo
Se foi Deus, Nossa Senhora, Buda, não sei

Hoje eu sei
Que o amor está além de gestos, signos e sentimentos

aprendi a chorar

Chorar de emoção
A vida me deu vida
A minha, só minha
VALENTINA

Te amo minha mãe

8.10.06

Li isso certo dia

Você olha a janela todo dia.
O que você aprende do que o seu olho apreende????????????
Do que a sua antena capta, o que você captura????????????

Além alma

Meu coração lá de longe
faz sinal que quer voltar.
Já no peito trago em bronze:
NÃO TEM VAGA NEM LUGAR.
Pra que me serve um negócio
que não cessa de bater?
Mais me parece um relógio
que acaba de enlouquecer.

Pra que é que eu quero quem chora,
se estou tão bem assim,
e o vazio que vai lá fora
cai macio dentro de mim?



Arnaldo Antunes / Paulo Leminski - 1998

31.8.06

um humilde presentinho

"mira o sol, que tu iluminas

encanta o mundo que te afronta

mantém sempre a força pronta

e vence a vida, ó valentina"



Aluísio de Paula

11.8.06

Memória

Amar o perdido
deixa confundido
este coração.

Nada pode o olvido
contra o sem sentido
apelo do Não.

As coisas tangíveis
tornam-se insensíveis
à palma da mão

Mas as coisas findas
muito mais que lindas,
essas ficarão.


Carlos Drummond

26.6.06

Me diga
Me diga
Que surpresa o futuro me trás?
Que apenas seja
Outra surpresa
Às vezes ficamos impotentes diante de nossos próprios sentimentos. Parecemos crianças perdidas na própria ingenuidade dos pensamentos. E somos. Somos imbecis se agirmos pela razão. Somos imbecis se agimos pelo coração.

“Auto-crítica camarada”, dizia uma amigo meu.

Então esperamos. Esperamos o tempo. As pessoas. Uma atitude alheia. É mais fácil assim. Mas e o caráter? O que é caráter? Ter uma única personalidade, ser forte e seguro? Silenciar-se? Ninguém jamais poderia. Acho.

“Auto-crítica camarada”, repito-me diariamente.

O que é certo? Talvez o certo no mundo de hoje seja desprover-se dos sentimentos e viver fechado, como um mentiroso. Fingindo ser. Fugindo. A recusa do medo.

“Auto-crítica camarada”, penso e insisto. Mas continuo sem existir.

Sonhei que era diferente. Que poderia ser diferente. Acreditei. Mas preferi não ousar. Fiquei com medo que esse não fosse o caminho. Que caminho? Há felicidade?

“Auto-crítica camarada”, tentei.

Nós somos otimistas. Eu acho que sim. Precisamos nos questionar algumas vezes. Temos que viver intensamente. Então teremos que sofrer e ser felizes intensamente. Só não quero conselhos. Busco-os, mas não os quero. Queria apenas seguir meu destino com a certeza de estar seguindo-o. Tranqüila com as minhas decisões. Sem interrupções.

Mas somos todos impotentes. Impotentes na alma.

Chega!!! Vou pagar pra ver!!!!

6.6.06

Queria ser milionária

Dinheiro

É um pedaço de papel

Ou uma arma

Ou um céu

Não é nada

Mas pode ser muito

Sem dinheiro

Não se vive por inteiro

????????????????????

Com dinheiro

Não se vive por inteiro

????????????????????

esdrúxulo (adoro essa palavra)

ou luxo

5.6.06

Silêncio

foi só um sonho

silencio

pouparei minhas lágrimas

não meu tempo

para rir da sua cara

À MINHA LINDA MENINA:

“Não se preocupe em entender,

viver ultrapassa todo entendimento.”

C.L.

SURPRESA...

Uma fresta pequena separa os lábios

Olhos bem abertos, hostis

É tão difícil entender

O que se passa mundo afora

É tanto tempo

Em poucas horas

Vou me deitar

eu vou

29.5.06

De que vale o céu?

De que valem os sentimentos? Alegria ou tristeza. Amor e ódio. Solidão, rancor, mágoa, amizade, carinho. Enquanto nos acolhem, podem nos apunhalar pelas costas. Tenho-os comigo. Todos. Todos espremidos em 15 minutos de um mesmo dia. Um dia ensolarado e nem era domingo. Tenho-os comigo. Todos espremidos em uma única pessoa. Amiga, inimiga, do bem e do mal, que me transborda de risos, mas me deixa sozinha nas lágrimas. Anjos e demônios. Não sei mais para onde ir. Que caminho deveria seguir. Em quem e no que devo acreditar. Sinto existir. Só tento resistir. À vida.
Busco o equilíbrio. A equação exata. A saída. A coragem e a vitória.

JULGAMENTO

Eu sou Crislaine B.. Tenho 23 anos. Estou grávida. Atenção curiosos que estavam na dúvida ou não sabiam: é verdade. Vou ter um filho. Um filho de uma mãe que tenho medo de ser. Um filho de um pai que nem quer saber, saber o nome, se é homem ou não. Com uma família que aceita, rejeita, metade ama, metade ignora. E que momento difícil. Dos milhares de amigos que tinham restaram tão poucos que é fácil de contar. E ainda que os multiplicassem, muito menos seriam. Eu amo essa criança. Amo também todas as lembranças, que hoje ficam para trás. Quero que saibam que minha tristeza é por vocês, não por mim. Estou num mar de rosas. Sem fim. Um filho é algo eterno. É meu coração fora de mim. Só que os olhares que vejo ao meu redor, já não sei se ha verdades assim. Nessas vozes, nesses sorrisos, naum sei mais se são pra mim. Então escrevo. Escrevo para entender porque voltou a me procurar. Por que todos voltaram a me procurar? O que há? Não existe culpa, não há. Te perdôo, mas não esqueço. Não sinto raiva, sinto mágoa. Estou tão congelada. Assustada com certas reações. Ser humano canalha. Justiça hipócrita. Política. Revolução. Comida e ração. Que mundo espera meu filho? Quem ele será? Como será? Será? Vou te pegar e levar pra esse meu cantinho, onde até mesmo eu, 1 metro e oitenta, me sinto pequenininha. Vou te dar um beijinho e dizer que te amo. E que só isso quero amar e te ensinar. Pronto. Não há felicidade. Existem momentos felizes. Você me salvou de tudo isso, prometo te salvar também.

19.2.06

há verdade? a verdade

Força e fraqueza
batidas desordenadas no coração
sou livre, mas e se o meu caminha já foi traçado?

Um dia chorei
tive medo
e encontrei a seriedade na alucinação

Silêncio

o amor eh piedade

Eis o sono
assim permaneço sozinha
presa numa infancia

nos mistérios da vida,
da puberdade

um erro

repudiando e amando

Como um grito mudo
entre o ser e o estar

E o azar, ainda não falei da sorte
e do bolo de marshmallow
da galinha que ciscava e naum via o sol

Perda total de memória

quanto ao todo
nunca sei

queria naum ter medo do escuro

Mas certas coisas resistem às explicações

AUTOINTERROGO-ME

e depois que se é feliz?

18.2.06

é assim que sou... é assim que vou

"VAZIO

AGUDO

ANDO MEIO

CHEIO DE TUDO"

P.L.

Crislaine criatividade

"Criei em mim várias personalidades. Crio personalidades constantemente.
Cada sonho meu é imediatamente, logo ao aparecer sonhado, encarnado numa
outra pessoa, que passa a sonhá-lo, e eu não."

9.2.06

Sou tantas... sou nada... sou uma...

Por que naum posso ser Crislaine Beatriz?

Sou tantas... sou nada... sou uma...

Por que naum posso ser Crislaine Beatriz?

Às meninas com estrelas


Este é o primeiro texto que deixo aqui neste mundo virtual. Dedico todas essas palavras às bonecas. As meninas com estrelas. Já sonhei em ser como vocês. Se pudesse começar tudo novamente, talvez seria. Mas não quero ficar lastimando. As coisas são e pronto. Eu não tenho estrelas, mas tenho o silêncio. Embora pesado, ele tem seu valor.
Bonecas não erram. São infláveis. Não são humanas. Ou serão?
Eu acredito na pureza. Mas meu sangue escorre grosso de ódio pelas minhas veias. É como se eu acompanhasse sua trajetória e deixasse com que minha vida descrevesse labirintos. Sem saídas. Símbolos mitológicos que me fazem: ora ser, ora não saber o que seria. O que seria se existissem verdades, ou apenas sonhos. Ou ainda, Peter Pan. Lendas vivas.
Eu não sou uma boneca. Eu errei. Muitas vezes. Ainda não sou uma mulher, muito menos a menina. Até a menina deixei de ser. Sem futuro, sem passado. Ultima tentativa. Uma vida. Eu tenho uma vida. Não sinto mais culpa de nada.

6.2.06

MEU BLOG

Me rendi a auto promoção.
Criei um blog.